terça-feira, 14 de outubro de 2014

Sentidos.

Quero-te. E quem te chama não sou eu, quem fala é o corpo que me move na ânsia de te encontrar. Desejo-te. A minha pele arrepia-se quando penso em ti, quando imagino o teu toque, o teu beijo, a tua voz. Oiço-te, de manhã à noite, mesmo quando tudo aparenta ser silêncio. Adoro a tua voz e o jeito de dizeres o meu nome, tudo mais é ruído. E quando fecho os olhos, mergulhado nesse desejo louco de te ter, sinto o teu sabor, de cada bocado teu, de cada pedaço que faço meu. Agora que a almofada já não tem o teu cheiro, sinto a falta que me fazes. Tu estás cada vez mais longe, mas o coração, esse, nunca arrefeceu.

Sem comentários:

Enviar um comentário