quarta-feira, 21 de maio de 2014

Tens em mim o teu espaço

Olha para mim, vê o que sou. Olha para mim, vê-me mais do que qualquer outro, vê-me como só os teus olhos me conseguem ver. Sei que o consegues fazer, basta não negares. Sei que és a única pessoa que consegue ver mais do que um olhar, uma face, um nariz ou uma boca. Tu furas a pele, os tecidos, rasgas músculos e chegas ao osso. Sei que me consegues tocar na alma e ler tudo o que ela contem. Vê-me, vê o que de mais profundo há em mim, o que escondo de todos e te dou de mão beijada. Vês o que sou? Vês todas as minhas feridas, todas as minhas cicatrizes, todas as minhas emoções e desejos? Eu não passo disso, um misto de sensações estranhas que habitam em mim. Consegues sentir a profundidade dos meus sonhos? E agora diz-me onde te vês. Estás em tudo não é? Desde a boca seca ao mais doloroso rasgar de músculo, desde o desejo mais ardente ao sonho mais profundo. Mas porque teimas ser a cicatriz mal cosida, a ferida aberta que queima por dentro? Escolhe o que queres ser, estás à vontade, tens em mim o teu espaço...

Sem comentários:

Enviar um comentário